Resenhando: Eleanor & Park

16:40

De quantas maneira diferentes a gente pode se apaixonar? Eu não sei vocês, mas eu ando me apaixonando por histórias encantadoras e seus personagens ferrados. Parece que quanto mais complexa e perturbadora é a vida deles, eu me envolvo mais. E por isso que o livro Eleanor & Park definitivamente está entre meus amores.


Nesse livro nós acompanhamos o primeiro amor de Eleanor, uma garota ruiva, "grande" e com um senso incomum para se vestir, e Park, descendente coreano, viciado em quadrinhos e em The Smiths (o que por sinal é a trilha do romance). Os dois se conhecem no ônibus da escola e depois de alguma relutância acabam se tornando um só, não se importando com a desaprovação familiar e da gozação dos colegas da escola.


Eleanor vem de uma família desestruturada, ela, a mãe e os irmão vivem com o padastro alcoólatra que os limitam, abrindo espaço para um vida cheia de segredos e desconfianças. Apesar do mau comportamento do padrasto, Eleanor mantém suas ideias firmes e que passa por cima das próprias  vontades para deixar o ambiente familiar um lugar agradável para os irmãos.


Já o Park, vem de uma família em que o amor sempre superou qualquer barreira, principalmente a da distância, seus pais se conheceram em meio a guerra e não se importam em demonstrar o quanto se amam na frente dos filhos. E acho que isso faz o Park perceber que às vezes nós temos que nos arriscar por aquilo que amamos.
O mais gostoso desse romance é que faz a gente relembrar daquele tempo de amores inocentes, que só o fato de estar perto de quem a gente gosta, sem falar nada, já nos transborda de alegria. Nos faz perceber que o amor é simples, um tocar de mãos já dá calafrios suficientes para acreditarmos que encontramos a pessoa certa. 


E só reafirmou o que eu venho percebendo a algum tempo, o quanto as redes sociais tiraram aquela expectativa gostosinha de ir ver a pessoa que a gente está apaixonada depois de uma semana inteira sem conseguir se falar direito. Não estou dizendo que deveríamos ficar sem mandar mensagens de texto e voltar para os tempos das cartas, mas tantas possibilidades de matar a saudade acaba não deixando nenhuma.
Com o rock dos anos 80 nos fones de ouvido e o coração aberto, Eleanor & Park me levou de volta a forma mais pura de amor com uma leitura leve e divertida. Vale pelo amor, pela amizade e principalmente pela cumplicidade.

You Might Also Like

0 comentários

Flickr Images